Pular para o conteúdo principal

Destaques

REVIEW: MULHER MARAVILHA 1984

Pôster do Filme Autor: Daniel Moreira   REVIEW: MULHER MARAVILHA 1984  Estamos vivendo uma revolução na forma de ver filmes, os serviços de streaming estão cada vez mais conquistando o seu espaço no dia-a-dia dos espectadores e a grande aposta do HBOMAX foi justamente a estreia de um dos maiores filmes do ano no serviço de streaming e nos cinemas ao mesmo tempo. Se isso vai ser o novo normal ou se vai trazer lucros só o tempo dirá, o fato é que Mulher Maravilha 1984 está entre nós. Atenção, essa review pode conter leves spoilers. Um artefato muito antigo criado por um Deus concede aquele que o possui o seu maior desejo, infelizmente vai parar em mãos erradas e a Mulher Maravilha precisa enfrentar o vilão e impedir o fim do mundo. Patty Jankins retorna na direção da sequência, dessa vez muito mais a vontade. Devido ao grande sucesso do primeiro filme, o estúdio deu carta branca pra ela criar a sua versão e isso é refletido nas poucas cenas de ação, nos diálogos profundos e na mensa

O monopólio Disney no cinema

walt disney
Mickey Mouse


O monopólio Disney no cinema

2019 foi marcado por ser um dos anos mais rentáveis no cinema, e quando olhamos o top 10 filmes mais lucrativos desse ano, 8 são longas-metragens da Disney (contando homem aranha, parceria com a Sony). Isso representa 80% do lucro dos maiores filmes do ano indo diretamente para um único estúdio. Isso não é um acontecimento em especial, na maioria dos anos anteriores, a Disney reinou nas bilheterias. 
    
bilheteria mundial 2019

Até então, não tem nada de errado em um estúdio colher os frutos do seu trabalho, o problema surge quando esse estúdio é praticamente dono de todo o trabalho. A Disney é dona de empresas como a Lucas Film, Marvel, Pixar, National Geographic e mais recentemente adquiriu os direitos de praticamente tudo que foi produzido pela FOX. Juntando tudo isso, a empresa detém o poder de mais ou menos 25% de todos os produtos cinematográficos que é gerado em todo o globo. Surge então o questionamento, até onde é saudável uma empresa mandar em tanta coisa?

Ter esse tipo de influência implica em poder mandar em alguns setores da indústria. A Disney vem aplicando táticas chantagistas, exigindo para os cinemas coisas como exibir seus filmes nas maiores salas possíveis, geralmente IMAX ou derivados, onde os valores dos ingressos são maiores e repassar o lucro do cinema em 65% sendo que o normal é entre 40% e 55%. Ou exemplo foi como em Star Wars os Últimos Jedi, eles obrigaram os cinemas a ter preferencia de exibição por duas semanas.

Com o passar do tempo, a disputa de mercado fica cada vez mais estreita e as premiações se tornam cada vez mais importantes para divulgar filmes mais conceito ou que não são blockbusters. A disputa do mercado vai se estreitando, e com tanto poder, quem é capaz de competir? Tivemos alguns exemplos de outras franquias como os Minions. Meu Malvado Favorito, Velozes e Furiosos, Coringa e Jurassic World, mas ainda é pouco.

Além disso, estamos vivendo o início da era dos streams. Cada canal e empresa estão associando seus produtos a uma distribuidora de streaming. Há muito tempo a Netflix tem sido a que mandou nessa área com um sistema que analisa o que é mais buscado entre os clientes e cria produtos em cima disso. Em média eles possuem 150 Milhões de assinantes em todo o mundo, a Disney com apenas alguns meses de Dineyplus (seu próprio serviço de streaming) já acumula mais de 50 Milhões de assinantes, isso apenas nos EUA e em alguns países da Europa.


Só para efeito comparativo, no top 10 de bilheteria mundial, 6 filmes são da Disney, levando em conta que ela comprou a Fox, e os direitos passam a ser dela agora, isso totaliza 8 filmes no top 10. A única concorrência seria a Universal.

Minhas Redes Sociais

Comentários

Postagens mais visitadas