Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

Uma volta experiencial pelo Romance de Camila Cabello

romance camila cabello


Autor: Luca Alves

Uma volta experiencial pelo Romance de Camila Cabello


Na luta pelo primeiro lutar na Billboard 200, Camila Cabello tem um desempenho minguado com o seu segundo álbum de estúdio por consequência das altas expectativas após o seu bem-sucedido álbum de estréia em carreira solo lançado em janeiro de 2018. Com o smash-hit Havana, para a sua estréia homônima, Camila Cabello se aproveitou das tendências latinas para construir uma forte identidade para o álbum que de quebra levou alguns feitos que infelizmente não se repetiram na sua segunda aposta solo. O Camila (2018) alcançou simultaneamente o topo da Billboard 200 e Billboard hot 100, vendeu cerca de dois milhões de exemplares ao redor do mundo e garantiu algumas indicações ao Grammy para a Camila, fazendo dela um destaque em relação as suas ex-colegas de trabalho da época do Fifth Harmony. 

O Romance, seu segundo álbum de estúdio, chega em 06 de dezembro de 2019 já com o status de fracasso pelo público após o baixo desempenho dos singles Liar, Shameless, Cry for Me, Easy e Living Proof, fazendo de Señorita, dueto com Shawn Mendes, uma esperança de melhoria do desempenho do álbum. Señorita alcançou topo de Billboard hot 100 em agosto de 2019 e ganhou uma indicação ao Gammy na categoria Melhor Performance Pop de Um Dueto ou Grupo, atraindo mais atenção ao status de fracasso, no entanto, agora para a tentativa de maquiá-lo ao incluir o single avulso, Señorita, na tracklist do Romance.

Em uma análise comparativa, não me parecem justas as menções de fracasso para a Camila Cabello, se levarmos em conta que de todos os estreantes nessa década em uma banda (girl/boyband), ela, de longe, tem tido o melhor desempenho comercial e crítico, abrindo reflexão para o que de fato acontece com o nome Camila Cabello na indústria fonográfica. Quero dizer, são três indicações ao Grammy, uma vitória no Grammy latino, três topos nas principais paradas da Billboard, um single certificado em diamante e todos os álbuns bem avaliados no Metacritic: não faz o menor sentido rotular como um fracasso quem tem tantos feitos em um curto intervalo de tempo em carreira solo - e o sentido se torna menor ainda se os feitos forem comparados com outros ex-integrantes de bandas como Harry Styles e Normani, que, com quase o mesmo tempo que Camila em carreira solo, eles ainda não tiveram o alcance que ela teve em todos os tópicos supracitados.

O Romance não tem uma identidade tão marcante quanto o Camila, mas é um álbum coeso dentro do que se propõe a ser. Os singles não tem uma apelo tão comercial quanto aos singles do primeiro álbum, mas todos tiveram desempenho bem acima do esperado para um ex-integrante de uma girl/boyband. A Camila não repetir os feitos do primeiro álbum é algo natural, e esperar estabilidade na carreira de qualquer artista é se contentar com a limitação artística que ele possa oferecer. As mudanças entre o primeiro e o segundo álbum é uma demonstração de amadurecimento pela necessidade de não se manter na mesmice, e as consequências disso aparecem das mais diversas formas, o que pode incluir baixa aceitabilidade do público e rotulação de fracasso pelo baixo desempenho comercial em relação ao seus materiais anteriores - o que não significa necessariamente que o material tenha sido um fracasso. É complexo, mas não muito.

No mais, o Romance é um álbum bem estruturado e segue uma linha estável ao longo das 14 faixas contidas nele. É uma volta experiencial pelo primeiro relacionamento sério da Camila Cabello, tornando mais perceptíveis alguns sentimentos em relação a outros criando maiores conexões por algumas faixas, como a cautela e a imprudência em concomitância em Shameless, a angustia e o rancor em Should've Said It, a prudência e a honestidade em First Man e a falta de necessidade em levar tão a sério o seu relacionamento em My Oh My. Uma jornada sinestésica para além de 14 faixas que poderá receber continuidade na medida que novas experiências surjam na vida da Camila, afinal, a cubana tem apenas 22 anos e esse é o seu primeiro romance.


Minhas Redes Sociais:

Comentários

Postagens mais visitadas