Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

Mitologia Grega: Zéfiro e Clóris

Mitologia Grega: Zéfiro e Clóris
O Nascimento de Vênus, 1483, Sandro Botticelli



Autor: Luca Alves

Mitologia Grega: Zéfiro e Clóris

Comprei alguns livros sobre mitologia para mergulhar na escrita sobre clássicos, para embelezar minhas postagens com referências bibliográficas enriquecidas em fontes, para falar sobre arte com mais precisão. E mitologia dá pano para manga por sua atemporalidade, tanto por seu valor histórico quanto por suas características atuais. A estória de Zéfiro e Clóris, por exemplo, tem se repetido na minha vida com certa frequência que não pude evitar escrever sobre ela, resgatando o modelo de escrita "esgoto a céu aberto" que não dá as caras no An Diorior desde a postagem sobre mandar nudes: Manda Nudes? (Escândalo na Boêmia).

Zéfiro era o vento do Oeste. Violento e impiedoso, seu sopro era capaz de naufragar navios, devastar plantações, causar danos a qualquer homem da época. Sua personalidade difícil de lidar refletia nos repúdios de Clóris, por quem Zéfiro se apaixonou. Clóris era a deusa da primavera (conhecida como Flora na mitologia romana). Suas criações, que iam desde as cores a perfumes, eram prejudicadas pelo comportamento destrutivo de Zéfiro. Ele, que a amava, precisou mudar sua forma de agir para ser notado positivamente por Clóris. Com sopros mais suaves, Zéfiro passou a ser um aliado de Clóris nas criações e transformações da primavera.

Há um bom tempo eu tenho me questionado até onde é válida a mudança em beneficio do próximo, mas ainda não cheguei a uma conclusão. Tenho acreditado na ideia nada fixa de que a mudança em beneficio do próximo deve vir acompanhada de mudanças benéficas a nós mesmos em primeiro lugar, e mesmo que não entendamos como mudanças benéficas mudar a nossa essência, às vezes é interessante olhar para o todo de forma ampla, pois às vezes nossa essência tem nela intrínseca uma banda podre que não consegue ser entendida por nós mesmo como algo negativo, como no caso de Clóris que tinha uma personalidade conflituosa para uma boa relação social, que além de ser destrutiva era também autodestrutiva, pois afastava ele dos próprios anseios.

Localizar e solucionar a raiz do problema leva tempo e muito conflito, tanto interno quanto externo, afinal são anos reproduzindo o mesmo tipo de comportamento. Para isso, é importante se conhecer para não cair em armadilhas produzidas por conflitos psicológicos como autoestima baixa, ansiedade e depressão que sempre atrapalham no diagnóstico final do problema e ao invés de visualizar o problema nitidamente, cria novos como a submissão a situações pouco ou nada saudáveis, e aí o que era para ser uma mudança benéfica, passa à adição de mais um problema na vida. Para tanto, se cuida, faça terapia.


Minhas Redes Sociais: 

Comentários

Postagens mais visitadas