Pular para o conteúdo principal

Destaques

A doce suspresa de Ameaça Profunda

Autor: Daniel Moreira
A doce surpresa de Ameaça Profunda
Geralmente é em janeiro que os estúdios lançam aqueles filmes que eles não sabem onde colocar. É uma época de férias, a vibe mais família do Natal e Ano Novo já passou  e o dia dos namorados só acontece em fevereiro (nos EUA), então são algumas semanas sem nada de muito acontecimento, apesar de que isso vem mudando aos poucos já que as janelas para grandes lançamentos estão ficando cada vez mais apertadas devido a enorme quantidade de blockbusters. 
Surge então uma doce surpresa: Ameaça Profunda é um filme dirigido por William Eubank e tem como protagonistas a Kristen Stewart, Jessica Henwick, T J Miller e Vincent Cassel. Conta a história de um grupo de pesquisadores que lutam para sobreviver depois que um terremoto causa destruição em um laboratório subaquático e eles precisam chegar na superfície, além disso, é preciso enfrentar estranhas criaturas das profundezas

O filme tem um orçamento considerável para um longa de ficção …

MÚSICA: COMPOSIÇÕES LÍRICAS E DRAMÁTICAS (R. MURRAY SCHAFER)

composições líricas e dramáticas
Damn, 2017, Kendrick Lamar


Autor: Luca Alves

Música: Composições Líricas e Dramáticas (R. Murray Schafer)


A limitação artística nem sempre está ligada à falta de qualidade - o propósito para tal limitação é o que pode determinar o valor artístico de cada obra. É um processo um tanto intuitivo para quem analisa algum trabalho a fim de descobrir se a limitação é ou não proposital, pois nem sempre fica explícito a real intenção artística da restrição a certos elementos na composição do trabalho analisado e às vezes pode passar como produção de baixa qualidade por análises superficiais. 

No livro O Ouvido Pensante de R. Murray Schafer de 1983, o autor, que é compositor e artista plástico, fala sobre duas oportunidades que teve de ser professor de música nos anos de 1964 e 1965 no e para o North York Summer Music School. Suas experiências estão descritas em forma de conversação com seus alunos no livro O Ouvido Pensante de 1983. No livro em questão ele fala sobre composições líricas e dramáticas usando paletas de cores de Pablo Picasso (leia sobre as fases azul e rosa de Pablo Picasso) - além de outros exemplos com as composições de Claude Debussy e Modeste Moussorgsky. Nessa postagem usarei duas produções artísticas atuais para falar de contrastes para chegar à definição de composições líricas e dramáticas segundo R. Murray Schafer. Suas definições de composições líricas e dramáticas começam na página 32 do primeiro capítulo pela edição de 1991 publicada pela Editora Unesp.

As produções escolhidas são da Lady Gaga e do Kendrick Lamar. São canções extraídas dos seus mais recentes trabalhos: em outubro de 2016, Lady Gaga lançou seu quinto álbum de estúdio, o Joanne. Dentre as 15 faixas contidas no álbum está o hit Million Reasons, cujas composições são bastante simples para cumprir com a proposta do projeto que carrega toda uma atmosfera intimista. Com o Joanne, Gaga abre mão das extravagâncias para dar espaço ao necessário - em todos os sentidos. Meses após o lançamento de Joanne, em 17 de abril de 2017, Kendrick Lamar lançou seu quarto álbum de estúdio, o Damn. Dentre as 14 faixas contidas no álbum está a canção XXX. parceria com U2. Assim como o Damn, XXX., não é uma produção previsível e oscila de atmosferas o tempo todo. XXX. e Million Reasons são canções completamente diferentes. Uma é o oposto da outra.

Joanne, 2016, Lady Gaga

A extrema oposição em elementos sonoros (agudo e grave, curto e longo, rápido e lento etc) de uma composição reflete diretamente na impressão do ouvinte, como, pelo exemplo dado pelo livro, sons suaves e graves trazem sensação de melancolia. A limitação a um dos extremos pode estar ligada à capacidade de criar do compositor, assim sendo determinante na categorização em composição limitada por intenção de criar e manter uma atmosfera como no caso de Million Reasons ou em composição limitada por real limitação artística do compositor. Para Schafer (1991), as composições que se limitam propositadamente a um dos extremos são chamadas de líricas, enquanto que as composições que abrangem outros extremos são chamadas de dramáticas. As composições dramática são imprevisíveis e por natureza tendem a surpreender o ouvinte por suas variadas sensações ao longo de sua reprodução.

Em XXX. há pelo menos duas mudanças drásticas: aos 0:23 e aos 2:27 na versão do álbum - fora as oscilações em alguns momentos da música: 0:58, 1:19, 1:42, 2:04 e 2:16. Pela definição de Schafer (1991), XXX. do Kendrick Lamar é uma composição dramática, visto que abrange vários elementos sonoros para criar atmosferas diferentes ao longo da canção. Em Million Reasons há o mesmo violão e piano do início ao fim da música havendo pequenas mudanças de intensidade e acompanhamento de novos instrumentos - mas nada que distancie da composição principal.

Minhas Redes Sociais:

Comentários

Postagens mais visitadas