Pular para o conteúdo principal

Destaques

GRAMMY: POR QUE A LADY GAGA MERECE LEVAR O PRÊMIO DE ÁLBUM DO ANO?

Autor: Luca Alves GRAMMY: POR QUE A LADY GAGA MERECE LEVAR O PRÊMIO DE ÁLBUM DO ANO?
Há um ano debutava no topo da parada de discos da Billboard o A Star is Born com 231 mil cópias comercializadas no território americano. Pouco mais de um ano desde o seu lançamento, a trilha sonora do Nasce Uma Estrela soma mais de 6 milhões de cópias comercializadas ao redor do mundo e mantém uma estabilidade que talvez supere fácil a marca de 8 milhões de cópias vendidas até o dia da cerimônia do Grammy, que geralmente acontece entre o fim de janeiro e o início de fevereiro. 
Essa não é a primeira vez que a Lady Gaga recebe grande atenção para a principal categoria do Grammy. Quase todos os álbuns da Gaga foram indicados à categoria Álbum do Ano, e todos até o momento não foram bem-sucedidos para os votos da Academia. Em 2008, a Lady Gaga fez uma estréia estrondosa causando impactos notórios à cultura pop com o The Fame, mas só isso não foi o suficiente para a bancada honrar o álbum com o título de …

MÚSICA: COMPOSIÇÕES LÍRICAS E DRAMÁTICAS (R. MURRAY SCHAFER)

composições líricas e dramáticas
Damn, 2017, Kendrick Lamar


Autor: Luca Alves

Música: Composições Líricas e Dramáticas (R. Murray Schafer)


A limitação artística nem sempre está ligada à falta de qualidade - o propósito para tal limitação é o que pode determinar o valor artístico de cada obra. É um processo um tanto intuitivo para quem analisa algum trabalho a fim de descobrir se a limitação é ou não proposital, pois nem sempre fica explícito a real intenção artística da restrição a certos elementos na composição do trabalho analisado e às vezes pode passar como produção de baixa qualidade por análises superficiais. 

No livro O Ouvido Pensante de R. Murray Schafer de 1983, o autor, que é compositor e artista plástico, fala sobre duas oportunidades que teve de ser professor de música nos anos de 1964 e 1965 no e para o North York Summer Music School. Suas experiências estão descritas em forma de conversação com seus alunos no livro O Ouvido Pensante de 1983. No livro em questão ele fala sobre composições líricas e dramáticas usando paletas de cores de Pablo Picasso (leia sobre as fases azul e rosa de Pablo Picasso) - além de outros exemplos com as composições de Claude Debussy e Modeste Moussorgsky. Nessa postagem usarei duas produções artísticas atuais para falar de contrastes para chegar à definição de composições líricas e dramáticas segundo R. Murray Schafer. Suas definições de composições líricas e dramáticas começam na página 32 do primeiro capítulo pela edição de 1991 publicada pela Editora Unesp.

As produções escolhidas são da Lady Gaga e do Kendrick Lamar. São canções extraídas dos seus mais recentes trabalhos: em outubro de 2016, Lady Gaga lançou seu quinto álbum de estúdio, o Joanne. Dentre as 15 faixas contidas no álbum está o hit Million Reasons, cujas composições são bastante simples para cumprir com a proposta do projeto que carrega toda uma atmosfera intimista. Com o Joanne, Gaga abre mão das extravagâncias para dar espaço ao necessário - em todos os sentidos. Meses após o lançamento de Joanne, em 17 de abril de 2017, Kendrick Lamar lançou seu quarto álbum de estúdio, o Damn. Dentre as 14 faixas contidas no álbum está a canção XXX. parceria com U2. Assim como o Damn, XXX., não é uma produção previsível e oscila de atmosferas o tempo todo. XXX. e Million Reasons são canções completamente diferentes. Uma é o oposto da outra.

Joanne, 2016, Lady Gaga

A extrema oposição em elementos sonoros (agudo e grave, curto e longo, rápido e lento etc) de uma composição reflete diretamente na impressão do ouvinte, como, pelo exemplo dado pelo livro, sons suaves e graves trazem sensação de melancolia. A limitação a um dos extremos pode estar ligada à capacidade de criar do compositor, assim sendo determinante na categorização em composição limitada por intenção de criar e manter uma atmosfera como no caso de Million Reasons ou em composição limitada por real limitação artística do compositor. Para Schafer (1991), as composições que se limitam propositadamente a um dos extremos são chamadas de líricas, enquanto que as composições que abrangem outros extremos são chamadas de dramáticas. As composições dramática são imprevisíveis e por natureza tendem a surpreender o ouvinte por suas variadas sensações ao longo de sua reprodução.

Em XXX. há pelo menos duas mudanças drásticas: aos 0:23 e aos 2:27 na versão do álbum - fora as oscilações em alguns momentos da música: 0:58, 1:19, 1:42, 2:04 e 2:16. Pela definição de Schafer (1991), XXX. do Kendrick Lamar é uma composição dramática, visto que abrange vários elementos sonoros para criar atmosferas diferentes ao longo da canção. Em Million Reasons há o mesmo violão e piano do início ao fim da música havendo pequenas mudanças de intensidade e acompanhamento de novos instrumentos - mas nada que distancie da composição principal.

Minhas Redes Sociais:

Comentários

Postagens mais visitadas