Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

Análise do Poema Modinha de Cecília Meireles

analise do poema modinha de cecilia meireles
Cecília Meireles



Modinha de Cecília de Meireles


Tuas palavras antigas
Deixei-as todas, deixei-as,
Junto com as minhas cantigas,
Desenhadas nas areias.

Tantos sóis e tantas luas
Brilharam sobre essas linhas,
Das cantigas – que eram tuas –
Das palavras – que eram minhas!

O mar, de língua sonora,
Sabe o presente e o passado,
Canta o que é meu, vai-se embora:
Que o resto é pouco e apagado.
Autor: Luca Alves

Análise do Poema Modinha de Cecília Meireles 


Cecília Meireles (1901 - 1964) manifesta sua arte no segundo tempo modernista, que começa no início da década de 1930, mas também flerta com outra escola literária na produção de seus poemas. Cecília, que ganhou destaque no cânone literário como sendo poetisa, mescla características do movimento modernista com o movimento simbolista em seus poemas. O Simbolismo aconteceu, tanto no Brasil quanto em Portugal, entre o fim do século XIX e o início do século XX, e suas características, tais como a poesia e sua aproximação das outras artes e a poesia bucólica, espiritual e sensorial como resposta ao materialismo em excesso, são facilmente encontradas nos poemas de Cecília Meireles.

Note como o poema Modinha segue um ritmo de leitura e suas características estilísticas estão diretamente ligadas aos sentidos voltados à natureza: “Tuas palavras antigas/desenhadas nas areias”, “Tantos sóis tantas luas/brilhavam sobre essas linhas”, “O mar sabe o presente e o passado”. Ademais, redondilhas maiores de sete silabas, como separa Campedelli e Souza (2002), são usadas para criar ritmo e facilitar a leitura e memorização do poema: “Tu(1) / as(2) / pa(3) / la (4) / vra(5) / san(6) / ti(7) /gas – dei(1) / xei-(2) / as(3) /to(4) / das,(5) / dei(6) / xei(7) / as...”  

Do Segundo tempo modernista, é possível encontrar em Modinha de Cecília Meireles as características da poesia intimista. Na primeira estrofe há a exposição dos sentimentos e das emoções do eu-lírico: “Tuas palavras antigas/deixei-as todas, deixei-as/junto com as minhas cantigas,/desenhas nas areias”. O lirismo segue até as últimas linhas da última estrofe quando Cecília escreve: “Canta o que é meu, vai-se embora:/que o resto é pouco e apagado”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:


SILVA, A. C. da; RAMOS, S. V. Literatura Portuguesa e Brasileira V. Batatais: Claretiano, 2015.

MESQUITA, I. R. A. Literaturas de Língua Portuguesa VI: Modernismo (II). Batatais: Claretiano, 2007.

CAMPEDELLI S. Y., SOUZA J. B. Literatura, Produção de Texto & Gramática - volume único. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2002. 



Minhas Redes Sociais:

instagram - twitter - facebook

Comentários

Postagens mais visitadas