Pular para o conteúdo principal

Destaques

REVIEW: MULHER MARAVILHA 1984

Pôster do Filme Autor: Daniel Moreira   REVIEW: MULHER MARAVILHA 1984  Estamos vivendo uma revolução na forma de ver filmes, os serviços de streaming estão cada vez mais conquistando o seu espaço no dia-a-dia dos espectadores e a grande aposta do HBOMAX foi justamente a estreia de um dos maiores filmes do ano no serviço de streaming e nos cinemas ao mesmo tempo. Se isso vai ser o novo normal ou se vai trazer lucros só o tempo dirá, o fato é que Mulher Maravilha 1984 está entre nós. Atenção, essa review pode conter leves spoilers. Um artefato muito antigo criado por um Deus concede aquele que o possui o seu maior desejo, infelizmente vai parar em mãos erradas e a Mulher Maravilha precisa enfrentar o vilão e impedir o fim do mundo. Patty Jankins retorna na direção da sequência, dessa vez muito mais a vontade. Devido ao grande sucesso do primeiro filme, o estúdio deu carta branca pra ela criar a sua versão e isso é refletido nas poucas cenas de ação, nos diálogos profundos e na mensa

ANÁLISE: Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema de Mário de Andrade

há uma gota de sangue em cada poema mario de andrade
Análise de Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema de Mário de Andrade


Análise de Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema de Mário de Andrade 


Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema, de 1917, é a primeira produção literária de Mário de Andrade, um reflexo da Primeira Guerra Mundial com rimas e métrica como as produções parnasianas que ainda lutavam por sobrevivência no período pré-modernista. São poemas cotidianos, soturnos e frios como o contexto no qual foram escritos. São imaturos, como o próprio Mario de Andrade veio a descrevê-los ao organizá-los em um volume intitulado "Obra Imatura" juntamente às produções A Escrava Que Não Era Isaura (1925) e Primeiro Andar (1926). Ao mesmo tempo em que são retrógrados em sua composição estética, são revolucionários em seu conteúdo que pende ao ativismo que seria uma das características do movimento encabeçado também por Mario de Andrade: o Modernismo.

Mário lançou Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema aos 25 anos sob o pseudônimo de Mario Sobral. A essa altura, Mário já era dedicado aos estudos das artes, como comenta Rezende no livro Semana de Arte Moderna de 2006: "Com 25 anos, [Mário de Andrade] era leitor insaciável, sistemático, anotava tudo como o prova o material do seu acervo pertencente hoje ao Instituto de Estudos Brasileiros, o IEB, da USP. Mário que jamais pisou fora do Brasil, conhecia [as Vanguardas Europeias] através das revistas estrangeiras". (REZENDE, 2006).

Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema não é o ápice artístico de Mario de Andrade, mas não é para tão pouco como a crítica da época havia descrito. Ainda precisava de um pouco mais de tempo até que ele conhecesse melhor o terreno no qual estava pisando. A impressão que tive ao longo dos meses de estudo da vida e das obras de Mario de Andrade é que a leitura de Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema é quase que obrigatória para acompanhar a evolução artística dele como escritor em tão pouco tempo. É uma obra mediana, o que não significa que seja de baixa qualidade, e que tem muito a dizer sobre Mario de Andrade.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

REZENDE N. A Semana de Arte Moderna. 2ed. São Paulo: Ática, 2006. 


Minhas Redes Sociais:

instagram - facebook - twitter

Comentários

Postagens mais visitadas