Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

ANÁLISE: Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema de Mário de Andrade

há uma gota de sangue em cada poema mario de andrade
Análise de Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema de Mário de Andrade


Análise de Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema de Mário de Andrade 


Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema, de 1917, é a primeira produção literária de Mário de Andrade, um reflexo da Primeira Guerra Mundial com rimas e métrica como as produções parnasianas que ainda lutavam por sobrevivência no período pré-modernista. São poemas cotidianos, soturnos e frios como o contexto no qual foram escritos. São imaturos, como o próprio Mario de Andrade veio a descrevê-los ao organizá-los em um volume intitulado "Obra Imatura" juntamente às produções A Escrava Que Não Era Isaura (1925) e Primeiro Andar (1926). Ao mesmo tempo em que são retrógrados em sua composição estética, são revolucionários em seu conteúdo que pende ao ativismo que seria uma das características do movimento encabeçado também por Mario de Andrade: o Modernismo.

Mário lançou Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema aos 25 anos sob o pseudônimo de Mario Sobral. A essa altura, Mário já era dedicado aos estudos das artes, como comenta Rezende no livro Semana de Arte Moderna de 2006: "Com 25 anos, [Mário de Andrade] era leitor insaciável, sistemático, anotava tudo como o prova o material do seu acervo pertencente hoje ao Instituto de Estudos Brasileiros, o IEB, da USP. Mário que jamais pisou fora do Brasil, conhecia [as Vanguardas Europeias] através das revistas estrangeiras". (REZENDE, 2006).

Há Uma Gota de Sangue em Cada Poema não é o ápice artístico de Mario de Andrade, mas não é para tão pouco como a crítica da época havia descrito. Ainda precisava de um pouco mais de tempo até que ele conhecesse melhor o terreno no qual estava pisando. A impressão que tive ao longo dos meses de estudo da vida e das obras de Mario de Andrade é que a leitura de Há Uma Gota de Sangue Em Cada Poema é quase que obrigatória para acompanhar a evolução artística dele como escritor em tão pouco tempo. É uma obra mediana, o que não significa que seja de baixa qualidade, e que tem muito a dizer sobre Mario de Andrade.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

REZENDE N. A Semana de Arte Moderna. 2ed. São Paulo: Ática, 2006. 


Minhas Redes Sociais:

instagram - facebook - twitter

Comentários

Postagens mais visitadas