Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

O QUE SÃO PERSONAGENS-TIPOS?

Henrietta Harris
Imagem: Henrietta Harris

O que são personagens-tipos?


Ainda outro dia, falei sobre alegoria e personagens alegóricos na postagem "Personagens Alegóricos: o que são?". Dando continuidade ao assunto, falarei sobre outros personagens que, assim como os alegóricos, podem ser encontrados tanto em Auto da Barca do Inferno quanto em Auto da Compadecida: os personagens-tipos. 

Para poupar rodeios e repetições, vou partir da explicação sobre personagens alegóricos para elucidar a ideia de personagens-tipos, então, sugiro que leia a outra postagem antes der ler essa para facilitar o raciocínio e não te deixar perdido ou parecer que você já pegou o bonde andando, tá? 

Mais uma vez, não é difícil entender os personagens-tipos. Se os alegóricos são a representação concreta de uma ideia abstrata (bem, mal e corrupção, que foram os exemplos dados), os tipos são a representação de um grupo ou classe social, cujo reconhecimento é feito a partir de características estereotipadas, como a linguagem, por exemplo. 

E assim como os personagens alegóricos, os personagens-tipos, mesmo que apresentem informações precisas, como nome, endereço, idade etc, eles também não têm intenção de atingir uma pessoa em específico, logo, Brísida Vaz, a alcoviteira, não existe e nunca existiu, seu papel na obra foi apenas representar os alcoviteiros. 

Minhas Redes Sociais:

Comentários

Postagens mais visitadas