Pular para o conteúdo principal

Destaques

REVIEW THE MIDNIGHT GOSPEL - 1ª Temporada

Pôster da Série Autor: Daniel Moreira REVIEW THE MIDNIGHT GOSPEL - 1ª Temporada Antes tarde do que nunca! Mais de 4 mês após o lançamento de The Midnight Gospel na Netflix eu finalmente fui assistir a essa viagem filosófica.  Talvez a minha nova smart TV gigantesta tenha contribuído para eu começar a apreciar os visuais psicodélicos e surreais do podcast, digo, do seriado. Acompanhamos a história de Clancy, um podcaster que viaja através de um simulador de universos procurando boas histórias, cada episódio o nosso protagonista visita um mundo diferente e grava entrevistas para transmitir para quem quiser ouvir. Criada por Pendleton Ward de  Hora de Aventura  e Duncan Trussell , comediante e host do podcast   Duncan Trussell Family Hou r,  que serviu de inspiração e fonte direta para todos episódios. O tema principal da série é a influência do apocalipse na vida das pessoas, quais são as reverberações que tal acontecimento gera, por isso, em cada episódio mostra

O QUE SÃO PERSONAGENS-TIPOS?

Henrietta Harris
Imagem: Henrietta Harris

O que são personagens-tipos?


Ainda outro dia, falei sobre alegoria e personagens alegóricos na postagem "Personagens Alegóricos: o que são?". Dando continuidade ao assunto, falarei sobre outros personagens que, assim como os alegóricos, podem ser encontrados tanto em Auto da Barca do Inferno quanto em Auto da Compadecida: os personagens-tipos. 

Para poupar rodeios e repetições, vou partir da explicação sobre personagens alegóricos para elucidar a ideia de personagens-tipos, então, sugiro que leia a outra postagem antes der ler essa para facilitar o raciocínio e não te deixar perdido ou parecer que você já pegou o bonde andando, tá? 

Mais uma vez, não é difícil entender os personagens-tipos. Se os alegóricos são a representação concreta de uma ideia abstrata (bem, mal e corrupção, que foram os exemplos dados), os tipos são a representação de um grupo ou classe social, cujo reconhecimento é feito a partir de características estereotipadas, como a linguagem, por exemplo. 

E assim como os personagens alegóricos, os personagens-tipos, mesmo que apresentem informações precisas, como nome, endereço, idade etc, eles também não têm intenção de atingir uma pessoa em específico, logo, Brísida Vaz, a alcoviteira, não existe e nunca existiu, seu papel na obra foi apenas representar os alcoviteiros. 

Minhas Redes Sociais:

Comentários

Postagens mais visitadas