Pular para o conteúdo principal

Destaques

GRAMMY: POR QUE A LADY GAGA MERECE LEVAR O PRÊMIO DE ÁLBUM DO ANO?

Autor: Luca Alves GRAMMY: POR QUE A LADY GAGA MERECE LEVAR O PRÊMIO DE ÁLBUM DO ANO?
Há um ano debutava no topo da parada de discos da Billboard o A Star is Born com 231 mil cópias comercializadas no território americano. Pouco mais de um ano desde o seu lançamento, a trilha sonora do Nasce Uma Estrela soma mais de 6 milhões de cópias comercializadas ao redor do mundo e mantém uma estabilidade que talvez supere fácil a marca de 8 milhões de cópias vendidas até o dia da cerimônia do Grammy, que geralmente acontece entre o fim de janeiro e o início de fevereiro. 
Essa não é a primeira vez que a Lady Gaga recebe grande atenção para a principal categoria do Grammy. Quase todos os álbuns da Gaga foram indicados à categoria Álbum do Ano, e todos até o momento não foram bem-sucedidos para os votos da Academia. Em 2008, a Lady Gaga fez uma estréia estrondosa causando impactos notórios à cultura pop com o The Fame, mas só isso não foi o suficiente para a bancada honrar o álbum com o título de …

Cidades de Papel (John Green)

livro Cidades de Papel
Coincidentemente andando pelo Facebook enquanto ouvia João e Maria, de Chico Buarque, eu vi numa foto, escrito à mão, na parede de um ônibus, a seguinte frase: "Por amor a gente fica, mas por amor a gente também vai. Desculpa". E é exatamente sobre isso o livro. 

Eu estou meio choroso com essa história e surpreso por ter gostado tanto do livro. Me fizeram uma propaganda tão negativa sobre ele que eu já fui na intenção de odiá-lo, mas surpreendentemente, no final das contas, acabei achando ele um dos melhores (se não o melhor dos) livros do John Green.

Margo Spiegelman e Quentin Jacobsen são vizinhos e amigos de infância que desde lá alimentam uma paixão secreta um pelo outro. O livro é narrado pelo Quentin e tudo toma rumo a partir de uma noite insana que eles tiveram - algo nunca vivido antes. Depois de se aventurarem por toda a Orlando, tocando o terror por toda a cidade, Margo desaparece, deixando para trás algumas pistas úteis para Quentin encontrá-la.

E quando eu falei que a frase na introdução dessa resenha tem tudo a ver com o livro é porque tanto o Quentin quanto a Margo se amam e isso não deve ser visto como egoísmo. Eles anseiam futuros distintos. Se eles permanecessem na zona de conforto, um deveria ser infeliz para o outro ser feliz e isso nunca deveria acontecer, tipo, nunca mesmo. 

livro Cidades de Papel
Gostei da maneira como o John Green trabalhou alguns detalhes que fazem toda a diferença, como o empoderamento feminino, o repudio a ações e piadas homofóbicas típicas do dia a dia e, no filme, o quão interessante é a diversidade racial. E ele faz isso de uma forma tão singela, rápida e nem um pouco agressiva que você nem percebe. É tipo: piscou, perdeu. 

Como já havia dito na resenha do O Lado Bom da Vida, eu amei essa capa e achei bem mais stylish do que aquela com o rosto da Cara Delevingne e do Nat Wolff. Acho capa baseada em filme meio tipo pombo; não gosto muito, não. 

Editora: Intrínseca/ Páginas: 251/ ISBN: 978-85-8057-455-5
Nota: 5/5


Minhas Redes Sociais:

Comentários

  1. Amei a resenha! Eu li esse livro também, foi o primeiro contato que eu tive com John Green, eu tinha um "pre-conceito" com o autor por ser muito popular, mas depois que eu li esse livro e vi o filme A culpa é das estrelas eu realmente fiquei apaixonada, to doida para ler outras obras dele

    http://www.pinkisnotrose.com

    ResponderExcluir
  2. Hey
    Eu não li Cidades de Papel justamente por causa das várias propagandas negativas, sei lá, fui desanimando, outros livros foram me interessando mais... e aqui estou. Mas acho que muita gente não gosta do livro porque o final dele não é muito comum, e aconteceu o mesmo com "Quem É Você, Alasca?", que é o meu favorito do tio João Verde. Enfim, não é um livro que tenho muita urgência em ler, mas, sem dúvidas, não excluo a possibilidade de isso acontecer.

    Ótima resenha e lindas fotos <3

    ENTRETANTO • INSTAGRAMTWITTER

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria ler Quem é você, Alasca?, mas eu não sei se vou. Estou terminando Will & Will e tenho uma pilha de livros para ler e estou tipo ÇOCORRRRR, GENTCHY. Mas vou tentar. Sério. Vou na fé.

      Excluir
  3. Nossa amo Cidades de Papel, e fico cada vez mais encantada com as inovações de John Green em suas histórias. Você citou O lado bom da Vida, outro que também amo ❤

    Entre Linhas e Parágrafos
    http://entre-linhaseparagrafos.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas