Pular para o conteúdo principal

Destaques

Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA?

Autor: Luca Alves Future Nostalgia: O TOPO DA ASCENSÃO DA DUA LIPA? Nota: 4/5


É de tamanha excelência a qualidade do Future Nostalgia que foi uma das missões mais difíceis da minha vida expressar em fiéis palavras a extremidade artística positiva que este álbum representa. Estive tenso por tentar não deixar passar nada porque é de uma complexidade e inteligência lírica-compositora tão grande que eu estaria faltando com a honestidade se eu não deixasse muito claro que este álbum é simplesmente O ÁLBUM. E é lindo ver o mínimo, porém impactante amadurecimento da Dua Lipa depois do álbum homônimo porque a ela foi entregue o difícil papel de salvadora da música pop, quando em meados de 2017 ela tomou total protagonismo do gênero com New Rules sendo creditada como um dos pilares que representaria a música pop pelos próximos anos, e facilmente assumiu esse posto, não aproveitando muita coisa do tropical house em dominância no seu primeiro álbum, mas mantendo as composições maduras por um vié…

Cidades de Papel (John Green)

livro Cidades de Papel
Coincidentemente andando pelo Facebook enquanto ouvia João e Maria, de Chico Buarque, eu vi numa foto, escrito à mão, na parede de um ônibus, a seguinte frase: "Por amor a gente fica, mas por amor a gente também vai. Desculpa". E é exatamente sobre isso o livro. 

Eu estou meio choroso com essa história e surpreso por ter gostado tanto do livro. Me fizeram uma propaganda tão negativa sobre ele que eu já fui na intenção de odiá-lo, mas surpreendentemente, no final das contas, acabei achando ele um dos melhores (se não o melhor dos) livros do John Green.

Margo Spiegelman e Quentin Jacobsen são vizinhos e amigos de infância que desde lá alimentam uma paixão secreta um pelo outro. O livro é narrado pelo Quentin e tudo toma rumo a partir de uma noite insana que eles tiveram - algo nunca vivido antes. Depois de se aventurarem por toda a Orlando, tocando o terror por toda a cidade, Margo desaparece, deixando para trás algumas pistas úteis para Quentin encontrá-la.

E quando eu falei que a frase na introdução dessa resenha tem tudo a ver com o livro é porque tanto o Quentin quanto a Margo se amam e isso não deve ser visto como egoísmo. Eles anseiam futuros distintos. Se eles permanecessem na zona de conforto, um deveria ser infeliz para o outro ser feliz e isso nunca deveria acontecer, tipo, nunca mesmo. 

livro Cidades de Papel
Gostei da maneira como o John Green trabalhou alguns detalhes que fazem toda a diferença, como o empoderamento feminino, o repudio a ações e piadas homofóbicas típicas do dia a dia e, no filme, o quão interessante é a diversidade racial. E ele faz isso de uma forma tão singela, rápida e nem um pouco agressiva que você nem percebe. É tipo: piscou, perdeu. 

Como já havia dito na resenha do O Lado Bom da Vida, eu amei essa capa e achei bem mais stylish do que aquela com o rosto da Cara Delevingne e do Nat Wolff. Acho capa baseada em filme meio tipo pombo; não gosto muito, não. 

Editora: Intrínseca/ Páginas: 251/ ISBN: 978-85-8057-455-5
Nota: 5/5


Minhas Redes Sociais:

Comentários

  1. Amei a resenha! Eu li esse livro também, foi o primeiro contato que eu tive com John Green, eu tinha um "pre-conceito" com o autor por ser muito popular, mas depois que eu li esse livro e vi o filme A culpa é das estrelas eu realmente fiquei apaixonada, to doida para ler outras obras dele

    http://www.pinkisnotrose.com

    ResponderExcluir
  2. Hey
    Eu não li Cidades de Papel justamente por causa das várias propagandas negativas, sei lá, fui desanimando, outros livros foram me interessando mais... e aqui estou. Mas acho que muita gente não gosta do livro porque o final dele não é muito comum, e aconteceu o mesmo com "Quem É Você, Alasca?", que é o meu favorito do tio João Verde. Enfim, não é um livro que tenho muita urgência em ler, mas, sem dúvidas, não excluo a possibilidade de isso acontecer.

    Ótima resenha e lindas fotos <3

    ENTRETANTO • INSTAGRAMTWITTER

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria ler Quem é você, Alasca?, mas eu não sei se vou. Estou terminando Will & Will e tenho uma pilha de livros para ler e estou tipo ÇOCORRRRR, GENTCHY. Mas vou tentar. Sério. Vou na fé.

      Excluir
  3. Nossa amo Cidades de Papel, e fico cada vez mais encantada com as inovações de John Green em suas histórias. Você citou O lado bom da Vida, outro que também amo ❤

    Entre Linhas e Parágrafos
    http://entre-linhaseparagrafos.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas